Você conhece o exame PSA?

Ansiosa para saber o sexo do bebê? Faça seu exame de sexagem fetal no Laboratório São Geraldo
25 de setembro de 2018
O Laboratório São Geraldo possui excelência em exames toxicológicos
27 de setembro de 2018
Mostrar todos

Você conhece o exame PSA?

Esse tipo de exame é realizado por homens a partir de 40 anos de idade para monitoramento de alterações na próstata.

 

O antígeno prostático específico (PSA) é uma glicoproteína de cadeia única normalmente encontrada no citoplasma das células epiteliais que revestem os ácinos e os ductos da glândula prostática. O PSA é detectado no soro de homens com tecido prostático normal, hipertrófico benigno e maligno. O PSA é também útil na determinação de possível recorrência após terapia quando utilizado juntamente com outros índices diagnósticos.

 

A medição de níveis de PSA sérico não é recomendada como procedimento de triagem para o diagnóstico do câncer porque níveis elevados de PSA também são observados em pacientes com hipertrofia prostática benigna. Entretanto, alguns estudos sugerem que a medição do PSA juntamente com o exame de toque retal e a ultrassonografia constituem um método de detecção do câncer de próstata melhor que o exame de toque retal isoladamente. Os níveis de PSA aumentam em homens com câncer de próstata e geralmente caem para a faixa não detectável após uma rostatectomia radical. Se restar resíduo prostático após a cirurgia ou ocorrer uma metástase, o PSA parece ser útil na detecção de tumor residual ou de recorrência precoce de tumor. Dessa maneira, os níveis de PSA séricos podem ajudar a determinar o sucesso da prostatectomia ou a necessidade de tratamentos adicionais, tais como os hormonais ou por quimioterapia ou radiação, e no monitoramento da eficácia da terapia.

 

Estudos recentes mostram a detecção do PSA em mulheres com lesões benignas e câncer de mama. As pacientes com câncer de mama demonstram concentrações mais altas de PSA quando avaliados no período pré-operatório, com diminuição após a cirurgia. Mulheres com lesões benignas de mama também apresentam níveis de PSA no soro. Portanto, a expressão de PSA no soro não distinguem lesões malignas e benignas de mama, mas talvez possa ser valiosa no acompanhamento da doença.

Os comentários estão encerrados.